Processadores Dinâmicos 01

February 20, 2015

Bem-vindo ao meu blog. Fico feliz em compartilhar meu primeiro post. 

Vamos começar discutindo processadores dinâmicos. A primeira questão que gostaria de levantar é o porquê desse nome. Eles NÃO se chamam processadores dinâmicos porque alteram a dinâmica musical. 

 

Os processadores dinâmicos alteram a intensidade do sinal, e alguns deles também acrescentam harmônicos ao som, modificando o timbre - alguns mais, outros menos. A dinâmica musical é uma mudança de intenção na execução, e pode ser crescente ou decrescente. Alterar essa intenção é algo muito difícil, e não tem a ver com intensidade. Você já experimentou pegar uma nota de um take tocado de forma mais suave, e inserí-la em um take tocado com mais força? a edição fica aparente, mesmo que você ajuste o volume da nota mais suave. Fica aparente porque a intenção musical e diferente, e tem a ver com o contexto musical em que a nota foi gerada. A mudança de intenção na execução faz com que a nota sofra alterações não só de volume, mas também de timbre. Ela estará inserida em um contexto, e terá intensidade e timbres mais ou menos intensos do que as notas que a cercam, dependendo de fazer parte de um crescendo ou de um diminuendo. O processador dinâmico pode acentuar ou ocultar algumas características da dinâmica, mas dificilmente irá modificar a intenção presente no momento da execução.

 

Os processadores dinâmicos não podem manipular ou alterar essa intenção musical. O que eles fazer é alterar a intensidade, para mantê-la dentro de determinados critérios. A forma como respondem depende da intensidade e do contorno do sinal que os alimenta. Por isso são chamados de processadores dinâmicos, porque sua resposta é variável, e não estática (como a de um equalizador, por exemplo, que funcionará da mesma forma, independentemente do sinal que o alimenta).

 

Esse tipo de processador administra a intensidade do sinal que estiver acima ou abaixo de uma referência ajustável.  E ele pode ser programado para abaixar ou aumentar o que estiver acima ou abaixo dessa referência. 

 

Se ele aumentar o que está acima da referência, ele é chamado de um "upward expander", ou "expansor para cima", em tradução livre. Se ele abaixar o que estiver acima da referência, é um "downward compressor", ou "compressor para baixo", em tradução livre.

 

Vendo pelo outro lado, se ele aumentar o que está abaixo do nível de referência, ele se torna um "upward compressor", ou "compressor para cima". E se ele abaixar o que está abaixo da referência, é um "downward expander", ou "expansor para baixo".

 

OK, mas como isso funciona com a música? Nas postagens seguintes falarei de diversas configurações do compressor, e algumas possibilidades de utilização. Abraços, e até a proxima!

 

 

Please reload

 Destaque

Vou começar a relatar por aqui os cursos que estou dando, com suas dificuldades e as soluções que encontramos. Amanhã vamos gravar um trabalho de viol...

Gravação e mixagem em Porto Alegre

June 26, 2017

1/4
Please reload

Postagens recentes
Please reload

Search By Tags
Please reload